quarta-feira, 14 de abril de 2010

A POPULAÇÃO E O TRABALHO NO BRASIL

A POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA (PEA), é composta de pessoas de 10 a 65 anos de idade, que estão trabalhando ou procurando emprego.
Ao contrário da PEA, a POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE INATIVA compreende a parcela da população que está sem ocupação ou que não está procurando emprego, como as donas de casa, os estudantes e os aposentados.
Ao considerar pessoas em idade ativa aquelas com 10 anos de idade ou mais, a metodologia do IBGE entra em desacordo com as disposições do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que proíbe qualquer trabalho a menores de 16 anos de idade, exceto na condição de aprendiz a partir dos 14 anos.
Segundo a Pesquisa nacional por Amostra de Domicílios de 2003 (PNAD 2003), realizada pelo IBGE, o Brasil apresentava cerca de 90 milhões de pessoas compondo a PEA. Desse total, mais de 50 milhões correspondiam a homens e quase 40 milhões, a mulheres.
Cerca de 20% das mulheres brasileiras se encontram fora da PEA, fazendo trabalhos domésticos. A participação feminina no mercado de trabalho vem crescendo a cada ano, fazendo com que o número de mulheres na PEA esteja próximo ao número de homens.
A situação de trabalho é bastante desigual entre homens e mulheres:
1. Em média, as mulheres recebem remunerações mais baixas que os homens, ainda que exercendo as mesmas funções;
2. Os homens têm mais promoções, chegando mais rapidamente a cargos de chefia.
3. Em momentos de crise econômica, as mulheres são as primeiras a ser demitidas.
4. Há mais mulheres no mercado informal, trabalhando sem registro e nenhum tipo de benefício, do que homens.
5. Muitas mulheres são vítimas de assédio sexual no trabalho.
Todos esses dados indicam que o preconceito em relação à mulher ainda existe no mercado de trabalho brasileiro. Além disso, há o desrespeito a direitos conquistados, como a licença maternidade e a licença para amamentar.
A População Economicamente Ativa distribui-se em três setores da economia: PRIMÁRIO, SECUNDÁRIO e TERCIÁRIO.
1. SETOR PRIMÁRIO - constituído pelas atividades agropecuárias e extrativas.
2. SETOR SECUNDÁRIO – compreende as atividades industriais.
3. SETOR TERCIÁRIO – formado pelas atividades de comércio, de prestação de serviços e da administração pública.
Até meados do século XX, as atividades agropecuárias e extrativas concentravam a maior parte da população trabalhadora. Com a intensificação do processo de industrialização, mais pessoas passaram a exercer atividades nos setores secundário e terciário. Nas últimas décadas, o emprego nas indústrias também diminuiu, já que muitas foram modernizadas com a instalação de equipamentos e a robotização, substituindo a mão-de-obra dos trabalhadores na produção.
O setor terciário, foi o que mais cresceu, concentrando cerca de 60% do total da PEA em 2000. São trabalhadores atuando na administração pública, no comércio e na prestação de serviços, nos mais diversos ramos: transportes, educação, saúde, lazer, telecomunicações, sistemas bancários, turismo etc.
A criação de novos postos de trabalho no setor terciário é insuficiente para absorver a demanda de trabalhadores que migram dos demais setores, principalmente porque, em geral, as novas funções necessitam de mão-de-obra especializadas ou mais qualificada.

Um comentário:

°ღ•●๋•αмαη∂ιηнα ℓυℓυкιηнα●๋•°ღ• disse...

sou do 7º ano de uma escola particular e queria saber a rede e hierarquia urbana problemas sociais e ambientais nas cidades.
Por favor se puder contate-me com amandinhalulukinha@gmail.com.

OBRIGADO!